Jornalistas contam como vencer os desafios e chegar ao comando de um telejornal
 
O caminho para um jornalista se tornar âncora de telejornal é longo e árduo. IMPRENSA conversou com alguns profissionais que estão à frente da bancada para saber como é a rotina dos responsáveis por noticiar os principais acontecimentos do Brasil e do mundo.

Crédito:Divulgação/ Globo News
Leila Sterenberg destaca importância da formação em jornalismo

“No passado, a TV buscou no rádio nomes consagrados jornalisticamente para atuar como âncoras. Boa dicção e simpatia são ingredientes que ainda contam, mas o que o telespectador quer, sobretudo, é a credibilidade alcançada com o tempo. A escola para almejar a bancada de um telejornal ou o comando de um programa é o trabalho de repórter”, afirma Celso Freitas, apresentador do “Jornal da Record”.

Karyn Bravo, apresentadora do “Jornal do SBT”, dá algumas dicas para o jornalista que sonha em se tornar âncora: “em primeiro lugar, ter uma boa base de português, redação e conhecimentos gerais. Conhecer sobre história também ajuda”.

Para Leila Sterenberg, âncora do “Jornal Globo News”, “a formação ideal é um curso de jornalismo numa boa faculdade, complementado por muita leitura e cursos extras nas áreas de interesse do profissional”. Ela acrescenta também a importância da preparação de voz e imagem.

Desafios e características

Os jornalistas destacam que a experiência como repórteres contribuiu para a chegada ao comando da bancada. Entretanto, dizem que o desafio aumenta diante do novo posto.

Crédito:Edu Moraes/Record
Celso Freitas diz que experiência como repórter ajuda a ser âncora

“Talvez o principal desafio seja se manter informado sobre o maior número possível de assuntos”, diz Leila. “É preciso ter uma parabólica sempre ligada [para ser um âncora]”, acrescenta.

Para a apresentadora da Globo News, uma característica essencial é calma na hora de anunciar uma notícia. “Acho que sangue frio é nosso oxigênio. Quando todos estão nervosos porque algo grandioso aconteceu, temos que respirar fundo e fazer com que a adrenalina nos deixe focados”, diz.

Freitas reafirma a importância do jornalista se manter atualizado. "O amplo domínio da informação confere a segurança para fazer a entrega fiel da notícia”. Para ele, credibilidade e imparcialidade são essenciais para um âncora, mas “são características que você conquista. Não se impõe isso ao público”.

A apresentadora do SBT ressalta que o âncora não deve se envolver com a notícia. “Acho que, às vezes, tomamos as dores de alguns casos, ou seja, acabamos, de alguma, forma influenciando o que o telespectador está vendo pelo nosso comentário”. Por essa razão, Karyn ressalta a imparcialidade na hora de dar a notícia.

Dia a dia

Para os profissionais, a preparação diária é a tarefa mais importante da rotina, pois é essencial que estejam antenados a todos os fatos. "A primeira coisa que eu faço é ler jornais e ver a internet”, comenta Karyn Bravo.

“Muito antes de fazer a barba e escolher o terno, [faço] a leitura do bom e velho jornal impresso e realizo um passeio completo por várias publicações eletrônicas - de portais a blogs e discussão com colegas da redação", conta Freitas, que diz chegar na redação cinco horas antes de apresentar o programa.

Leila faz a mesma lição de casa. “Mesmo que não dê tempo de ler tudo, é bom passar os olhos de forma genérica”, afirma.  

Inusitado

Imprevistos também fazem parte da apresentação de um telejornal. Sendo assim, o âncora tem de estar preparado para lidar com esses percalços. 

Crédito:Lourival Ribeiro/ SBT
Karyn Bravo diz que preparação diária ocorre horas antes do programa

“Uma vez o celular de um entrevistado tocou quando ele estava ao vivo. Mas já entrou uma mosca no estúdio durante o jornal e, uma vez, queimou uma lâmpada enquanto eu falava”, conta Leila .

O apresentador da Record revela que, após 40 anos frente das câmeras, seu maior constrangimento foi a falha na voz ao ler uma notícia. "Fruto de ter saboreado um confeito de coco ralado pouco antes de iniciar o telejornal”, relata.

“Já aconteceram problemas técnicos. Já caiu o TP, a gente chamou uma matéria e entrou outra. Teve uma vez que eu fui ler o nome de um time que eu não conhecia e comecei a rir”, diz Karyn.

Entre tantos desafios, todos eles destacam a preparação intelectual e profissional para chegar ao comando do noticiário. E, muito jogo de cintura para lidar com todo o tipo de imprevisto.
* Com supervisão de Vanessa Gonçalves.
 
Leia também:
  Faça as Oficinas IMPRENSA e dê um salto na sua carreira com os ensinamentos e as experiências de quem entende de jornalismo e comunicação.
 
Anual Digital + Impresso [R$154,80]
Anual Digital + Acervo IMPRENSA Completo [R$94,80]
 
Bianual Digital + Impresso [R$309,60]
Bianual Digital + Acervo IMPRENSA Completo [R$189,60]
 
(11) 3729 -6300/4800 (11) 3729 -6300/4800 (11) 3729 -6300/4800
R. Camburiú, 505 - 2º andar -
Alto da Lapa | São Paulo/SP
CEP 05058-020