"Nem idade, nem limitação física impedem a vitalidade dele", diz editor sobre Zé Hamilton

Guilherme Sardas | 12/09/2012 18:15
Grande homenageado da noite de aniversário de 25 anos da revista Imprensa, o repórter do "Globo Rural" José Hamilton Ribeiro foi entrevistado pela colega Neide Duarte, ontem, no Sesc Santana, em São Paulo. O evento abriu o Mídia.JOR,  que acontece hoje e amanhã, com mesas e palestras de grandes nomes do jornalismo nacional e internacional.


Na plateia, dois grandes amigos e colegas de redação de José Hamilton, o repórter e apresentador do Globo Rural, Nelson Araújo, e o editor-chefe do programa global, Humberto Pereira, falaram à IMPRENSA sobre o privilégio de trabalharem ao lado de um dos mais premiados e experientes jornalistas do país.


Alf Ribeiro
José Hamilton Ribeiro


“Ele tem aquela grande sacada de olhar por um ângulo inusitado que surpreende o próprio entrevistado, e por isso se desprende durante a entrevista”, diz Araújo. Talento, portanto, extremamente relevante em se tratando de telejornalismo. “A TV tem um aparato que assusta o entrevistado e às vezes demora para ele esquecer essa parafernália. O Zé nos ensina a conduzir com essa psicologia para fazer com que a pessoa esqueça e busque uma espontaneidade que é difícil de achar. Ele é um professor”, resume.


Já Pereira ressalta ainda que a equipe do "Globo Rural" nunca cogitou, em razão de sua grande experiência, tirá-lo da reportagem para realocá-lo em outra função superior hierarquicamente.“Se a reportagem é a coisa mais importante que tem no jornalismo, por que o repórter não continua repórter para o resto da vida? Com o tempo, você acaba sendo tirado da reportagem e levado para cargos administrativos do jornalismo. Esses cargos administrativos têm que ser dados para os medíocres, como eu (risos)”, brinca.

Ambos os colegas ressaltam a vitalidade do jornalista para se embrenhar em reportagens exaustivas dentro e fora do país. Nem a idade – 77 anos –, nem a limitação física - Zé Hamilton perdeu parte da perna esquerda em decorrência de uma mina terrestre quando cobria a Guerra do Vietnã em 68 – são pretextos para pautas facilitadas.

“[A limitação física] não é levada em conta e o Zé não gosta que seja levado em conta. Nos 30 anos que ele está com a gente, tivemos que parar umas três reportagens, mas não porque ele tenha pedido, mas problemas na prótese. A idade também não é impedimento para ele montar a cavalo ou mesmo fazer a reportagem que ele tá fazendo agora, cobrindo o Rio Paraguai da nascente até onde der para gente fazer, passou um mês dentro de uma barca”.