“Os jornais e a TV precisam se reinventar no novo ambiente digital”, diz Carlos Monforte

Luiz Gustavo Pacete | 13/09/2012 14:00
Entre diversos temas que estão sendo debatidos no mídia.JOR, o papel dos jornais e a maneira como eles vão dar a informação foi colocado em questão por vários momentos. De fato, jornalistas não acreditam na extinção do meio impresso. Entretanto, a dinâmica de os jornais noticiarem deve prezar a relevância. 
Alf Ribeiro
Carlos Monforte

O fato de ser publicado 24 horas depois dos fatos já coloca o meio em desvantagem e não fazer nada para mudar essa lógica pode ser muito perigoso. Carlos Monforte, coordenador e apresentador da Globo News Brasília e com importante trajetória em veículos impressos, durante o , mídia.JOR alertou que o jornalismo em geral e, especialmente, o impresso precisa evoluir. “Antes você tinha um sério problema nas redações de resistência dos jornalistas a tudo que era novo, hoje já não se vê tanto isso, mas por outro lado, existe o grande desafio de se reinventar”.

Para Monforte, os jornais ainda estão atrasados principalmente por chegarem à banca com 24 horas de atraso. “O jornal possui um processo industrial diferente da televisão. Acredito que uma tendência neste caso é a análise e a opinião. Eles precisam dar a informação com outro caráter. Outro caminho deve ser encontrado”.

O jornalista destaca também que a própria televisão vai ter que mudar. “Ela [a TV] vai precisar ser mais rápida e mais moderna e usar toda essa tecnologia que está aí a sua disposição. Antes, nas emissoras existia uma resistência na utilização de imagens que não fosse de qualidade, mas agora isso mudou já se vê um esforço para aliar a técnica com a relevância jornalística”.