Shasta Darlington, da CNN Brasil, fala sobre a dinâmica do correspondente multimídia

Luiz Gustavo Pacete | 13/09/2012 19:00
Há quase um ano no Brasil, a correspondente da CNN Shasta Darlington tem importantes desafios jornalísticos pela frente. Sua chegada ao Brasil deu-se justamente para cobrir e acompanhar a repercussão dos grandes eventos que acontecerão por aqui – Copa e Olimpíada – e também em função do momento econômico do país. 
Alf Ribeiro
Shasta Darlington
Como uma das palestrantes do mídia.JOR, Shasta debateu com Ariel Palácios, correspondente do Estadão na Argentina, e Milton Jung, âncora da CBN, os desafios da informação globalizada no rádio e na TV. Para ela, sobretudo, recai a responsabilidade de, além de ter que retratar a realidade brasileira para sua audiência, fazer isso nas mais variadas plataformas.

Apesar do desafio, Shasta gosta desta dinâmica e retrata que o conceito multimídia da CNN não é somente sair produzindo para várias mídias. “Se eu quero colocar alguma matéria na programação da CNN, independente da plataforma, eu preciso oferecer um projeto, pensar algo de forma estratégica. Além disso, tenho que fazer uma versão da matéria em espanhol, escrever para a CNN.com e tuitar”.

No caso do Twitter, Shasta enxerga como uma ótima ferramenta para poder divulgar seu trabalho e, apurar informações sobre o país. “Olha, o Brasil tem me surpreendido pela maneira como se usa tecnologia por aqui. É muito bom poder apurar informações e contatar fontes por meio das redes sociais”. 

Sobre a pauta Brasil, ela destaca que as demandas de matérias do país estão relacionadas ao tipo de coisas que estão acontecendo aqui e no mundo. No fim das Olimpíadas de Londres, por exemplo, a jornalista conta que o foco das atenções foi o Brasil e neste caso, o desafio é atender a demanda. 

“É claro que também tenho que tomar cuidado nas pautas para ver o que realmente interessa a minha audiência. Tenho que procurar a essência e transmitir de acordo com o interesse do meu público”. A jornalista conclui que pautas econômicas e esportivas são as que despertam maior interesse.