Por temor, Globo faz cobertura de protestos sem identificação; TV afirma ser imparcial

Redação Portal IMPRENSA | 18/06/2013 09:00
Na última segunda-feira (17/6), parte dos manifestantes do quinto ato contra o aumento do preço das passagens de ônibus, em São Paulo, dirigiu-se à sede da Rede Globo para contestar a cobertura da emissora sobre os protestos.

De acordo com o colunista Fernando Oliveira, do iG, o episódio foi mostrado pelo “Jornal Nacional” em link ao vivo. Além disso, o telejornal apresentou editorial sobre o tema, a fim de garantir a isenção dos fatos que reporta.

A apresentadora Patrícia Poeta afirmou que Globo tem feito reportagens sobre as manifestações desde o seu início, mostrando todos os lados da questão, como os excessos da polícia, as reivindicações do movimento Passe Livre, bem como as depredações. "É nossa obrigação e dela não nos afastaremos. O direito de protestar e se manifestar pacificamente é um direito dos cidadãos”, concluiu a jornalista

Apesar do editorial, a emissora evitou que seus repórteres fossem vítimas da violência. Sendo assim, todos os jornalistas da Globo e da GloboNews fizeram a cobertura sem a canopla com os logotipos das emissoras em seus microfones. A ideia era evitar protestos surpresa ao vivo, bem como preservar a integridade dos profissionais, que chegaram a ser alvo de xingamentos e agressões em manifestações anteriores.

Assista ao vídeo:



Leia também

Arnaldo Jabor pede desculpas e faz autocrítica por declarações sobre protestos
Datena e Rezende comentam manifestações e somam público de quase 1 milhão
Rede Globo omite vaias à presidente Dilma em vídeo cedido à imprensa