Professor da PUC-SP critica apego às técnicas multimídia no jornalismo

Mauricio Kanno | 07/10/2013 12:30

“Quando se fala em mercado de trabalho, fala-se muito em multimídia, mas pouco se fala do jornalismo em si”, disse Marcos Cripa, professor de jornalismo da PUC-SP.


Crédito:Alf Ribeiro
Professor acha que multimídia é bom para o empregador

O professor e veterano jornalista fez seu comentário antes do início do segundo debate do seminário mídia.JOR, no qual foi um dos palestrantes. O evento começou nesta segunda-feira (7/10) e é organizado por IMPRENSA.


Na plateia antes de seu debate, uma pergunta de um participante chamou a atenção de Cripa. A questão, direcionada a Ascânio Seleme, diretor de Redação de O Globo, vinha saber qual o perfil do jornalista ideal para estar no jornal.


“Queria que ele dissesse que desejava um grande jornalista, o que se mede mesmo pelo comportamento jornalístico. Não necessariamente que se cobrassem técnicas de multimídia, que são importantes, mas nem tanto quanto o profissional de fato, curioso, de antena ligada.”


O jornalista considera que, de fato, o mercado deseja que o profissional faça de tudo. “Isso é de muito interesse do patrão; mas e para o jornalista?”, questiona.


Ainda assim, ele lembra que mesmo ele, na década de 1970, também passou pelo dilema das diferentes mídias, que já existiam. “O que há são outras mídias agora, com a internet.”



O mídia.JOR acontece nos dias 07, 08 e 09/10, no teatro da Aliança Francesa, em São Paulo (SP). O evento, realizado por IMPRENSA, é patrocinado pela Oi, com apoio da Aliança Francesa, Fenaj, Abert, Abradi, Aner e ANJ.


Leia também

- 'Vai ser uma guerra nuclear', diz Ascânio Seleme sobre asgrandes coberturas de 2014

- “O jornalista brasileiro precisa se espelhar no estiloamericano”, afirma Augusto Nunes