"O Povo" assedia jornalistas que protestaram contra reajuste salarial baixo, diz sindicato

Redação Portal IMPRENSA | 23/02/2015 10:00
O Sindicato dos Jornalistas no Ceará (Sindjorce) informou que o jornal O Povo está constrangendo jornalistas que participaram do ato "Reajuste Pão com Ovo", realizado na frente da empresa contra o "aumento" salarial de R$ 4,26 por dia ofertado pelos patrões.  

Crédito:Reprodução/Sindijorce
Jornalistas foram assediados por diretores do jornal após participarem de ato por melhores salários

De acordo com a entidade, os profissionais mais afetados são aqueles de "confiança" da empresa, entre eles, editores que ocuparam a calçada do jornal, onde ocorria uma manifestação da Campanha Salarial dos "Lampadinhas", mascotes que simbolizam o trabalho dos jornalistas. 

"Disseram àqueles que têm possibilidade de ascensão dentro da empresa que não é 'recomendável' participar de movimentos contra o jornal ", informou um jornalista, que não foi identificado. "Como pode o jornal fazer isso?", disse um editor que participou do protesto. 

O diretor de Ação Sindical do Sindjorce, Evilázio Bezerra, avalia que os assédios foram gerados pela insatisfação do jornal com o engajamento dos jornalistas na Campanha Salarial da categoria. Para ele, a direção de O Povo se dirige aos jornalistas dizendo que eles têm de "pensar na carreira, no emprego, na empresa, e quem quer isso não participa desse tipo de evento". "Um verdadeiro absurdo", completou. 

A diretora de Administração e Finanças do Sindjorce, Déborah Lima, ressalta que superiores não se dão conta da gravidade do que estão fazendo e acreditam que é uma conduta natural. "Precisamos refletir profundamente sobre o que isso significa e denunciar toda e qualquer tentativa de assédio moral ou prática antissindical nos locais de trabalho", disse.

Leia também