Site do programa "Humaniza Redes" se defende de acusações de plágio em logo

Redação Portal IMPRENSA | 14/04/2015 16:00
O site do movimento "Humaniza Redes",lançado na semana passada pela Secretária de Direitos Humanos da Presidência da República e que visa combater o discurso de ódio e preconceito na internet, se defendeu das acusações de "plágio" em sua logomarca. 

Crédito:Reprodução
Programa nega plágio e admite uso de imagem com royalties free

"A logomarca do Humaniza Redes – Compartilhando Respeito foi desenvolvida pela agência Leo Burnett Tailor Made, responsável pela conta da Secom, conforme apontado no Portal Transparência. O Humaniza Redes esclarece que não há plágio, visto que a imagem é encontrada com royalties free, no banco público Getty Images", disse em comunicado. 

A polêmica começou logo após o lançamento da ação, quando internautas compararam o logo da "Humaniza" com o disco "Sexo", de Erasmo Carlos e ao livro "Heart to Heart", de Lurlene McDaniel.