Jornalista deixa canal russo após queda de avião na Ucrânia por não aceitar "mentir"

Redação Portal IMPRENSA | 23/07/2014 11:00
A jornalista britânica Sara Firth decidiu pedir demissão do canal Russia Today, um dos veículos aliados ao presidente Vladimir Putin, após a queda do avião da Malaysia Airlines na Ucrânia, no dia 17 de julho. "Nós mentimos todos os dias na Russia Today. Há milhões de formas de mentir, e foi lá onde eu as aprendi de verdade", declarou ela em entrevista à Time.

Crédito:Reprodução/ YouTube
Sara Firth disse que emissora manipula a realidade

Baseado em dois integrantes do Ministério da Defesa da Rússia que disseram que havia um caça ucraniano próximo ao avião malasiano e que o sistema antiaéreo ucraniano estaria ativo, o canal sugeriu que a Ucrânia era responsável por ter derrubado o Boeing. 

A versão vai contra a narrativa ocidental, de que separatistas pró-Rússia teriam abatido a aeronave. Após a acusação contra os rebeldes, a emissora destacou a versão de Putin de que o acidente teria sido usado como bode expiatório para acusar os russos de provocar a crise na Ucrânia.

Depois das declarações, a jornalista disse que foi o fim da linha dos cinco anos em que tem "organizado fatos para construir uma fantasia". "O que eles fazem é uma forma bastante inteligente e habilidosa de manipular a realidade", acrescentou.

Sara Firth não é a primeira a pedir demissão do canal. Em março, a americana Liz Wahl, correspondente em Washington, deixou o Russia Today no ar dias após a anexação da Crimeia. "Sou uma só em uma longa fila de pessoas que deixaram a empresa pelo mesmo motivo. Todos aguentam até um certo ponto", concluiu a repórter.

Leia também