Jornalista norte-americano diz que CIA provocou morte de Eduardo Campos

Redação Portal IMPRENSA | 12/09/2014 16:00
O jornalista investigativo norte-americano Wayne Madsen publicou um texto em sua coluna no site da Fundação da Cultura Estratégica — afirmando que a CIA, serviço de inteligência e espionagem do governo dos EUA, seria responsável pela morte do candidato à Presidência da República Eduardo Campos. Segundo o autor, o "suposto assassinato" teve motivações políticas

Crédito:Agência Brasil
Para jornalista, morte da Eduardo Campos foi causada pela CIA para derrubar Dilma Rousseff

Segundo Madsen, a morte de Campos colocou Marina Silva, sua substituta na chapa, como "ameaça" à campanha pela reeleição de Dilma Rousseff (PT). "A derrota de Rousseff seria um sinal de vitória para a administração de Obama, que quer tirar de cena presidentes progressistas na América Latina", diz o texto.

"Marina Silva, que é pró-Israel e seguidora da igreja pentecostal Assembleia de Deus, é muito mais a favor dos empresários e dos Estados Unidos do que Rousseff, do esquerdista Partido dos Trabalhadores", continua o jornalista. Ele ainda afirma que Dilma e o BRICS (grupo de países emergentes composto por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) estão tentando "desafiar a supremacia no Banco Mundial operado pelos EUA".

De acordo com Madsen, Marina é uma "marionete" do empresário húngaro George Soros, famoso especulador na bolsa de valores norte-americana e um dos maiores financiadores da campanha de Barack Obama à Presidência dos EUA em 2008. Para o jornalista, ela representa um suposto movimento internacional chamado "Terceiro Caminho", do qual participariam Bill Clinton, Tony Blair, o presidente francês François Hollande e Fernando Henrique Cardoso, entre outros políticos e empresários.

"Quando se torna vantajoso matar um membro do 'Terceiro Caminho' para promover outro, não há problema em eliminar alguém como Eduardo Campos para abrir caminho para uma política mais popular (e controlada) como Marina Silva, especialmente se os interesses de Israel e Wall Street estão em questão", afirma Madsen.

O jornalista corrobora suas afirmações citando outros políticos sul-americanos que morreram em circunstâncias supostamente "misteriosas". Os presidentes Jaime Roldos Aguilera, do Equador, e Omar Torrijos, do Panamá, foram vítimas de acidentes aéreos em 1981 e, de acordo com Madsen, a impressão digital de um ex-agente da CIA foi encontrada nas cenas das duas tragédias.

"Uma análise da história pós-Segunda Guerra Mundial revela que, de todas as maneiras que serviços de inteligência usaram para eliminar ameaças politicas e econômicas, assassinato por queda de avião aparece em segundo lugar, logo após acidentes de carro e envenenamento, e pouco antes do uso de armas de fogo e munição, como o modus operandi favorito da CIA para assassinatos políticos", acrescenta Madsen.

O modelo do avião que levava Eduardo Campos, a falta de registros de voz na caixa preta do veículo e a agência norte-americana chamada para auxiliar nas investigações são indícios, segundo o jornalista, de que a morte do ex-governador de Pernambuco foi orquestrada pela CIA.

Madsen cita as recentes pesquisas eleitorais no Brasil, que preveem a vitória de Marina Silva num eventual segundo turno contra Dilma, como sinal do "sucesso" na operação do governo dos EUA. Para ele, porém, essas mesmas pesquisas não passam de "artifícios de agência de inteligência ocidentais e corporações, usadas para induzir a opinião pública e engatar uma programação previsível de controle da população".

Outro colunista da Fundação de Cultura Estratégica, o jornalista e escritor Nil Nikandrov, concorda com as afirmações de Madsen. Ele publicou nesta sexta-feira (12/9) um texto semelhante, intitulado "Candidata apoiada pela CIA concorre à Presidência do Brasil".

Leia também