"Tecnologias transformaram cada pessoa em um repórter em potencial", diz Eliane Leme

Mariana Rennhard* | 24/07/2012 15:30
A jornalista Eliane Leme, diretora-executiva do band.com.br, considera que “discutir a profissão é algo revigorante” e, por essa razão, ela fala sobre jornalismo, principalmente no que diz respeito à internet, que tem chamado a atenção nos últimos anos.

Leia também
Assim como outros jornalistas, Eliane acha que a principal mudança ocorrida nos últimos anos foi “sem dúvida, a chegada de novas tecnologias, que transformaram cada pessoa em um repórter em potencial”. Mas como acontece com toda mudança, a jornalista ressalta que essa novidade trouxe consequências positivas e negativas. 

“Positivas: a participação, o imediatismo e a livre expressão. Mas as coisas não podem ser confundidas. Ser dono de um blog não credencia uma pessoa a atuar como jornalista. Na Comunicação da Band passei por situações absurdas. Recebi mensagens de gente sem o menor preparo ou qualificação com o seguinte teor: ‘olá, tenho o blog X, queria saber tal coisa, fecho tal hora. Se vocês não responderem vou escrever que se esquivaram’. Não era uma pergunta, era uma ameaça”, explica. 

Eliane Leme, que é jornalista profissional com pós-graduação em Comunicação Empresarial pela Fundação Cásper Líbero, ao falar sobre o futuro do jornalismo, expressa um desejo e faz um alerta. “Espero que o jornalismo, principalmente o online, no qual atuo agora, não se renda à audiência fácil. Mas sinceramente, não é isso que tenho visto”.

Após 15 anos de atuação no jornalismo da Rádio Bandeirantes, onde iniciou a carreira, ela assumiu, em 2001, a Assessoria de Comunicação do Grupo Bandeirantes. Atualmente, acumula a supervisão da Comunicação da Band com a direção executiva do portal band.com.br. Ela participará no Painel III do mídia.JOR, que terá como tema o “Jornalismo digital: profissionais multifacetados, leitores participativos”. 

* Com supervisão de Vanessa Gonçalves