"O jornalismo passará por uma reformulação ainda mais acentuada", diz Silvia Bessa

Mariana Rennhard* | 31/07/2012 15:00
Entre as mudanças que o jornalismo sofreu nos últimos 25 anos está a alteração dos jornais impressos e a dúvida que passou a rodear esses veículos com o advento da internet. Silvia Bessa, repórter especial do Diário de Pernambuco, admite que houve mudanças e considera que um debate sobre a profissão é “necessário e urgente”. “O que queremos produzir daqui para frente e qual o papel que passaremos a ter nas próximas décadas? São perguntas para as quais – creio – não há respostas fechadas para nenhum de nós”, afirma.

Leia também
Silvia acha que uma das principais mudanças no jornalismo é o fato de que “o cidadão passou a participar mais da apuração da notícia e se tornou mais crítico. É uma consequência da expansão da internet, da proliferação de fontes e do maior acesso à informação”.

“Acredito que o jornalismo passará por uma reformulação ainda mais acentuada. Os jornais continuarão a existir, assim como os livros. Creio, no entanto, que o jornalismo impresso passará a assumir outra função, dedicada a reportagens mais aprofundadas e talvez publicadas em edições com periodicidade mais espaçada. As notícias mais imediatas se limitarão à plataforma multimídia”, diz a jornalista sobre o futuro dos veículos impressos. 

Embora acredite que o jornalismo “passará por uma reformulação ainda mais acentuada” no futuro, a repórter do Diário de Pernambuco acha que “a forma de fazer jornalismo será repensada a cada ano, mas o jornalismo e o jornalista continuarão com a função básica de relatar a história das pessoas e do momento”.

Silvia Bessa participará Painel VI do mídia.JOR, “Jornalismo impresso: a vocação informativa e os caminhos para o futuro”. Sobre o evento, ela diz esperar “ter um panorama múltiplo sobre os temas mais contemporâneos do jornalismo mundial, como as mídias digitais, e sobre os sempre atuais, no qual incluo a prática da reportagem”. 

Silvia dedica-se a reportagens especiais, veiculadas em forma de caderno ou de séries. Em sua trajetória, obteve 15 premiações jornalísticas, entre as quais três Prêmios Esso, dois Prêmios Embratel e três prêmios internacionais, como o da Unca Awards (EUA), promovido pela Associação dos Correspondentes da ONU.