Pedro Venceslau e Marcelo Di Lallo exaltam as mudanças da mídia nos 25 de IMPRENSA

Mariana Rennhard* e Luiz Vassallo* | 12/09/2012 12:40
Na última terça-feira (11/9), Marcelo Di Lallo, ex-rádio Estadão/ESPN, e Pedro Venceslau, do Brasil Econômico, presenciaram o início das comemorações de 25 anos da Revista IMPRENSA e a abertura do mídia.JOR. Na ocasião, José Hamilton Ribeiro, homenageado da noite, foi entrevistado por Neide Duarte.  

Para Venceslau, a entrevista com José Hamilton "foi um momento histórico". "É um grande repórter entrevistando outro grande repórter. É aquele momento que temos que guardar e que é cada vez mais raro acontecer".

"Eu achei sensacional. Zé Hamilton é uma referência do jornalismo", considerou Di Lallo. "Começaram o mídia.JOR com dez pés direitos", brincou.

Os dois jornalistas acompanham os trabalhos de IMPRENSA e comentaram os 25 anos da publicação. "A revista IMPRENSA já é um símbolo do jornalismo", afirmou Di Lallo. Pedro Venceslau, por sua vez, destacou que esse um quarto de século de trabalho representa algumas mudanças no jornalismo. "Hoje temos poucos espaços para discutir o jornalismo. Vemos as redações cada vez mais enxutas, cada vez menos espaço para reportagem", considerou.

Com todas as alterações ocorridas ao longo desses anos, a projeção para o futuro é inevitável, embora seja incerta. Para Marcelo Di Lallo, a palavra que define o jornalismo não só do futuro, mas também do presente, é integração. " Integração é o segredo do sucesso das grandes empresas de comunicação. Esse é o caminho do presente para o futuro e já é uma realidade". Pedro Venceslau considera que é "difícil de saber" o que acontecerá com a profissão, mas revela alguns desejos. "Eu espero que melhore. Espero que voltem a existir os repórteres especiais, os grandes cadernos, as grandes reportagens. Sinto um pouco de falta disso no jornalismo". 

* Com supervisão de Vanessa Gonçalves