Colunista de "O Globo" rebate texto de vice-presidente do PT sobre "pitbulls da mídia"

Redação Portal IMPRENSA | 20/06/2014 14:30
Em artigo publicado na última segunda-feira (16/6) no site do PT, Alberto Cantalice, vice-presidente nacional do partido, listou nove nomes a quem chamou de "pitbulls da grande mídia". Citado pelo texto, o jornalista Demétrio Magnoli usou sua coluna no jornal O Globo para responder às acusações. "O alvo óbvio é a imprensa independente", afirmou.

"O partido que ocupa o governo decidiu, oficialmente, produzir uma lista de 'inimigos da pátria'. É um passo típico de tiranos — e uma confissão de aversão pelo debate público inerente às democracias", disse Magnoli em seu texto, intitulado "A lista do PT". "Eles gostariam de governar um outro país — sem leis, sem juízes e sem o direito à divergência", acrescentou o jornalista.

Crédito:Reprodução/ Estadão
Em artigo, jornalista diz que acusações de Cantalice são confissões de que o partido é avesso à democracia
Magnoli cita também as vaias à presidente Dilma Rousseff na abertura da Copa do Mundo, em São Paulo, no último dia 12 de junho. O fato foi lembrado pelo artigo de Cantalice, que acusou os chamados "pitbulls do conservadorismo" pelos "xingamentos torpes e vergonhosos à presidenta Dilma". O ex-presidente Lula também chegou a dizer que parte da imprensa incentivou a reação.

"O ditador egípcio Hosni Mubarack atribuiu a revolução popular que o destronou a 'potências estrangeiras'. Vladimir Putin disse que o dedo de Washington mobilizou um milhão de ucranianos para derrubar o governo cleptocrático de Viktor Yanukovich. O PT bate o recorde universal do ridículo quando culpa nove comentaristas pela recepção hostil a Dilma", afirmou Magnoli.

A ONG internacional Repórteres Sem Fronteira (RSF) também repercutiu as acusações do vice-presidente do PT. "Não ignoramos o contexto polarizado da mídia, que pode exagerar o descontentamento geral. No entanto, as dificuldades sentidas pelo PT não justificam o recurso à propaganda de Estado", disse Camille Soulier, responsável pela seção Américas da organização.

Os nomes citados por Cantalice em seu artigo, além de Magnoli, são Reinaldo Azevedo, Arnaldo Jabor, Guilherme Fiúza, Augusto Nunes, Diogo Mainardi, o cantor Lobão, o apresentador Danilo Gentili e o humorista Marcelo Madureira, "entre outros menos votados", como diz o texto. 

"Profetas do apocalipse político, eles são contra as cotas sociais e raciais; as reservas de vagas para negros nos serviços públicos; as demarcações de terras indígenas; o Bolsa Família, o Prouni e tudo o mais", escreveu o vice-presidente do PT. Gentili, Azevedo e Madureira também responderam ao texto.

Leia também