IMPRENSA relembra as notícias que movimentaram a mídia em 2014

Redação Portal IMPRENSA | 08/12/2014 14:50
Nem os mais gabaritados especialistas em futurologia poderiam prever um ano tão repleto de surpresas como 2014. No âmbito nacional, as partidas dentro de campo deram o tom com a polêmica derrota da Seleção Brasileira por 7x1 contra a Alemanha, na Copa do Mundo sediada no Brasil. 

No exterior, o clima de batalha se repetiu. Só que no conflito entre Palestina e Israel nenhum lado teve razão para comemorar. Aliás, o Oriente Médio esteve no olho do furacão com as ameaças de terroristas do Estado Islâmico contra a imprensa na Síria. Em vídeos divulgados na internet desde agosto, jornalistas apareceram sendo decapitados como forma de aviso ao governo norte-americano.

Crédito:Divulgação
Copa do Mundo, preconceito, eleições e morte de Eduardo Campos foram alguns dos principais temas em 2014
As tragédias aéreas também ganharam destaque no noticiário. Logo no começo do ano, houve a queda do Boeing 777, da Malaysia Airlines, vitimando 239 pessoas em março. Outros três grandes acidentes ganhariam as primeiras páginas dos jornais em julho, levando 464 pessoas à morte.

O Brasil também entrou no mapa dos acidentes aéreos graves, com a queda do jatinho que levava o então candidato à presidência Eduardo Campos (PSB) a Santos, no litoral paulista, no dia 13 de agosto. Estavam na aeronave mais de seis pessoas que também morreram, dois assessores, um cinegrafista, um fotógrafo e dois pilotos.

O acidente mudou totalmente o cenário eleitoral, e colocou a ex-senadora Marina Silva, então vice de Campos, de volta ao páreo. Apontada como principal concorrente da candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), Marina acabou perdendo o posto para Aécio Neves (PSDB), que foi para o segundo turno com a candidata do PT. Apesar da esperada polarização, essa foi a eleição presidencial mais apertada desde 1989, quando Fernando Collor e Luiz Inácio Lula da Silva concorriam ao maior cargo executivo do País.

Em uma região com extensões continentais como o Brasil, Dilma levou a melhor com a curta vantagem de pouco mais de três milhões de votos. Nos três meses que antecederam o pleito, o tema se tornou a principal pauta na imprensa e nas redes sociais. Foi na internet, inclusive, que as discussões mais acaloradas e também as mais bem-humoradas surgiram entre os eleitores. Em tempos de segunda tela, os debates na TV geravam ampla manifestação dos internautas sobre suas preferências por meio de comentários e os tradicionais memes.

A seguir, IMPRENSA resgatou os principais acontecimentos que pautaram a mídia nacional e internacional em 2014. Confira!

Fechamentos e demissões: 
Crédito: Divulgação
  • SBT demite os jornalistas José Nêumanne Pinto, Denise Campos de Toledo e Carlos Chagas do cargo de comentaristas. A saída dos profissionais está ligada aos planos do canal de dar menos espaço para opinião em seus jornalísticos (10/2)

  • Folha de S.Paulo demite o jornalista André Caramante. A justificativa foi "contenção de despesas". Especializado em segurança pública, ele ficou por quase 15 anos no veículo (10/2)

  • Grupo RBS anuncia a demissão de cerca de 130 funcionários. Os cortes, previstos desde a demissão de diretores da empresa em julho, afetaram principalmente a área de jornais (4/8)

  • Portal Terra demitiu pelo menos 100 funcionários. Redação foi a parte mais afetada. Em São Paulo, mais de 50 funcionários foram desligados, incluindo toda a equipe de fotografia (13/8)

  • Editora Abril demite executivos e reformula Unidades de Negócios (UNs) para ganhar força no mercado publicitário (25/8)

  • O diário esportivo Lance! demitiu cerca de 30 jornalistas no Rio de Janeiro (RJ), quase a metade da redação, além de correspondentes e de um colunista de São Paulo (SP) (30/9)

  • A ESPN Brasil dispensou cerca de dez jornalistas, a maioria ocupava cargos de chefia na emissora (1/10)

  • Diário do Comércio anuncia fim da edição impressa e mantém apenas colunistas na redação (31/10)

  • Folha de S.Paulo demitiu 25 jornalistas, entre eles, Fernando Rodrigues e Eliane Cantanhêde, alegando problemas financeiros (4/11)

  • O Grupo Paranaense de Comunicação demitiu quatro jornalistas e fechou as sucursais de Foz do Iguaçu e de Londrina, no Paraná (5/11)

  • Grupo RAC, responsável pelos jornais Diário do Povo e Correio Popular, em Campinas (SP), demitiu 15 funcionários também por problemas financeiros

Os principais facts
Crédito: Divulgação
#somostodosmacacos: em apoio ao jogador Daniel Alves, celebridades e anônimos postaram em abril fotos em repúdio ao preconceito

#vaibrasil: A Copa do Mundo gerou uma infinidade de hashtags nas redes sociais, a maioria da torcida brasileira. Outras hashtags que “bombaram” durante o Mundial foram: #TodosSomosSuarez e #forçaneymar

Em agosto, a hashtag #RIPEduardoCampos ficou entre os tópicos mais comentados no mundo no Twitter

“Taca-le-pau”: meme do bordão "taca-le pau nesse carrinho", descoberto em vídeo de Leandro Benica, de 10 anos, no YouTube

#masterchef: a estreia da versão brasileira do reality show gastronômico “MasterChef” mobilizou os internautas que não pararam de comentar os melhores momentos

#royalbaby: a monarquia britânica confirmou que o príncipe William e Kate Middleton, duquesa de Cambridge, esperam seu segundo filho

#AppleLive: em evento transmitido ao vivo pela internet, marca apresentou o iPhone 6, o iPhone 6 plus e o Apple Watch, e ficou no topo dos assuntos mais comentados

#PraSempreGrandeFamilia: O final da série "A Grande Família", depois de 14 anos no ar, comoveu o público

#EikeBatistaClasseMédia: ao jornal Folha de S.Paulo, o empresário Eike Batista disse que é um "baque" voltar à classe média. Seu patrimônio estaria no negativo

#DebateNaGlobo, #DebateNoSBT, #DebateNaRecord,

#DebateDaBand: hashtags oficiais dos debates das eleições 2014 acompanharam diversos meses

#procurandoLouis e #encontramosLouis: o gatinho fugiu no desembarque de um voo no aeroporto de Guarulhos. Os donos pediram ajuda e mobilizaram as redes sociais

#SouDoNordesteMesmoEComOrgulho: internautas reagem contra manifestações de ódio e preconceito após o resultado das eleições

Mortes
  • O ator, crítico e cineasta José Wilker (5/4)

  • O escritor Gabriel García Márquez (17/4)

  • O narrador esportivo Luciano do Valle (19/4)

  • O jornalista Rodolfo Konder, diretor da ABI-SP (1/5)

  • O poeta e jornalista Ivan Junqueira, membro da ABL (3/7)

  • Osmar de Oliveira, médico e comentarista esportivo (11/7)

  • O escritor, acadêmico e jornalista João Ubaldo Ribeiro (18/7)

  • O escritor e educador Rubem Alves (19/7)

  • Ariano Suassuna, escritor e poeta paraibano (23/7)

  • O empresário e presidente de honra do Grupo Votorantim, Antônio Ermírio de Moraes (24/8)

  • Diretora do Suplemento Feminino do O Estado de S. Paulo, Maria Cecília Vieira de Carvalho Mesquita (24/9)